0

Ansiolítico : Marinas Found!

Conversamos com a moçada do Marinas Found, sobre sua trajetória!
 
Como surgiu Marinas Found?
 
A marinas found surgiu de uma vontade muito grande de tocar de amigos de escola. Eu(soler), o arthur e outros dois amigos formamos porque nós adorávamos pop punk, punk e hc e gostávamos muito desse mundo todo da música e do punk. Nos divertimos muito nessa época com o nome de Garys Chicken e depois Marinas Found, mas aí a gente quis que a coisa ficasse mais séria. Queríamos ensaiar direto, fazer músicas, tocar em eventos e assim surgiu de fato a marinas found e em seguida entrou também o Walerko. Na época ficamos como um trio eu, o arthur e o walerko e lançamos nosso primeiro álbum em 2017. Em 2018 entrou o pietro no baixo e o walerko foi pra guitarra e gravamos o Ansiolítico que saiu a pouco tempo. 
 
Desde o princípio o punk rock melódico era a meta da banda?
 
A gente sempre gostou muito de punk e pop punk quando era criança e mais novo, então acho que a vibe era bem essa. Aos poucos fomos conhecendo coisas mais pegadas ou mais pesadas e curtindo muito. Isso misturou tudo na banda e hoje em dia a gente é uma mistura de muitos gêneros, punk, hardcore, emo, pop punk e até post hc. Pra simplificar chamamos de punk e hardcore melódico porque basicamente juntamos tudo que a gente gosta na cena punk e deixamos com essa vibe mais melódica e energética. 
 
Foto por Insonia Multimidia
 
Nos contem do primeiro registro de 2017
 
Cara o primeiro registro foi na verdade uma luta pra sair. A gente passou por dois produtores que não deram certo, um porque tava indo se formar e tinha que focar no final do curso e o outro porque deu ruim mesmo com enrolações e tal. Com isso a gente se enrolou uns dois anos no total eu acho. Nesse meio tempo a gente já tinha muita música nova mas decidimos gravar as que tinhamos feito primeiro. Então esse album é bem uma vibe da transição daquela banda de brincadeira pra algo mais sério, mas que ainda tava muito rudimentar hahaha. Como estavamos nos enrolando pra lançar algo, faziamos shows e não tinhamos músicas na internet o que nos incomodava muito, gravamos tudo da maneira mais rápida possivel e o resultado felizmente ou infelizmente foi esse. É um album divertido.
 
Como foi a excursionar com o Blackjaw?
 
Foi muito massa, primeira vez que subimos pra tocar em caxias e porto alegre. Foi a primeira vez que fomos um pouco mais longe de casa. Os caras da Blackjaw são muito gente boa e todo role rolou com uma vibe muito massa, fizemos amigos em caxias também e acho que todo mundo que participou achou muito massa esse role. 
 
Como foi tocar com bandas de renome do Brasil e gringas?
 
Pra nós foi muito massa. É sempre muito importante pras bandas pequenas porque da uma visibilidade maior pra nós, e no nosso caso, tivemos muita sorte ainda porque todas que já conhecemos eram de gente boa. Nunca tivemos problemas com outras bandas e uma das melhores coisas desse role de tocar fora ou com outras bandas é a amizade que se vai fazendo. 
 
Foto por Broken Hearz Fotografia
 
Agora vcs possuem na bagagem o álbum Ansiolítico , como foi trabalhar nele?
 
Esse album sim resolvemos trabalhar sério. Fizemos uma pré produção para analisar as músicas e pensar elas. Produzimos com o Augusto Santos (Ex- Vocalista da Suburban Stereotype). Introduzimos novas camadas nas músicas e teve uma diferença musical gritante quando comparado ao de 2017. Foi um processo muito interessante e trabalhoso mas que nos deixou muito felizes com o resultado, adoramos o album e parece que o publico também vem gostando bastante. O trabalho do augusto foi ótimo e trabalhou muito bem no album. 
 
Onde vcs buscaram referência pra composição do mesmo?
 
As letras geralmente giram em torno do nosso cotidiano e do que costumamos observar das nossas vidas na cidade, temos muitas letras sobre nossos sentimentos, angustias e ao mesmo tempo, muitas músicas sobre os problemas da nossa sociedade, o problema da nossa classe média, o problema das nossas cidades. Já quanto aos instrumentais são realmente uma baldião de influências de tudo que curtimos na cena. 
 
Qual objetivo com esse material lançado?
 
Nosso objetivo sempre é tocar o máximo que pudermos e levar o nosso som o mais longe possível. Queremos levar nosso som e nossa palavra pra as pessoas e queremos que elas venham curtir nossos shows conosco. Pra nos a nossa música só faz sentido assim. 
 
Foto por Broken Hearz Fotografia
 
Quais os próximos passos ?
 
Por enquanto estamos tentando sair pra tocar bastante, produzir alguns clipes de músicas do novo album, divulgar o album e mais pra frente um split com a banda borduna. 
 
Considerações finais 
 
Pessoal que quiser curtir nosso som ta convidado a nos ouvir em todas plataformas digitais e curtir nossa página no facebook ou nos seguir no insta pra acompanhar as novidades. Compartilha a gente com os amigos se curtir o som, vai ser muito bom pra nos! 
 
Se quiser nos chamar pra tocar é só mandar mensagem na pagina da banda ou no email marinasfound@gmail.com . Aproveita que nos tamo loco pra conhecer outras cidades!!!!
 
Valeu Raro Zine!
 
Foto principal por Vampz

Facebook

Instagram

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *