0

Som, silêncio e saudade : Aborígenes Viajantes!

Ìtalo Cardoso, fala conosco sobre o novo registro dos Aborígenes Viajantes.
 
Como surgiu esse novo trabalho?
 
O EP foi surgindo como um quebra cabeça, porque as ideias foram aparecendo e cada um de nós acabou que contribuiu com uma parte chave que norteu as outras etapas.
Depois que lançamos o single  “Mambembe”, começamos a pensar em um outro projeto de estúdio, aonde já se tinha até um esboço de como seria e quais música poderiam entrar, porém acabou ficando engavetado e decidimos começar do zero esse que foi lançado
 
Foi algo bem do momento atual do grupo?
 
Pode se dizer que sim, porque no meio dessas conversas de “planejamento”, o Pepê Alves, baixista, chegou com uma proposta de fazer algo mais levado pro acústico; e as reuniões que estávamos fazendo pra trabalhar os arranjos, sempre aconteciam na minha casa e tinham todo esse formato: bateria reduzida, dois violões, a guitarra as vezes… Então praticamente a gente já estava adentrado nessa atmosfera que serviu como base para o “Som, Silêncio e Saudade”.
 
Foto por Amanda Mendes/Wally
 
Como surgiu o título e suas respectivas faixas:
 
O nome surgiu no decorrer das gravações e foi uma ideia apresentada pelo Luquinhas (Lucas Alves, guitarra). O título do EP foi inspirado em uma conceituação da Música, que a define como sendo a sucessão de sons e de silêncio(s); e a experiência de sentir saudade é tematizada nas canções e acaba que emulando a referência que escolhemos fazer ao batizar esse novo trabalho.
 
O EP se ambienta em um prédio, onde cada faixa representa a história de um determinado apartamento; e tiveram também a contribuição de amigos próximos, tanto na parte instrumental, quanto nas vozes e também nos clipes que acompanham essa nova etapa.
 
A faixa “Som, Silêncio e Saudade” serve literalmente para trazer o ouvinte pra esse “prédio imaginário”. O texto foi escrito por mim (Ítalo Cardoso) no decorrer das gravações e tive como base a ideia criada pelo Lucas. 
Também sentimos a necessidade de trazer uma outra voz para interpretar, aí então chamamos o nosso amigo Roza_, um artista aqui de Caucaia que faz intervenções e performances, e já fazia um tempo que queríamos fazer essa parceria. 
O processo de gravação foi um momento único para nós, pois toda a sonoplastia fizemos manualmente e em parceria do Roza_.
 
“Apartamento” foi escrita esse ano, fala sobre uma questão de se ver morando sozinho e a construção dela se deu literalmente em um apartamento. Desde quando nós quatro nos reuníamos para conversar, como também em momentos com os músicos que gravaram alguns dos outros instrumentos iam lá em casa para tocar, tomar uma cerveja e escrever os arranjos. Das três ela é que teve um processo de criação mais intimista.
 
 
“Velha História” foi a primeira música composta, já fazia um tempo que havíamos escrito e feito a melodia, mas ainda não tínhamos achado um momento certo para trabalha-la.
A estrutura dela era totalmente oposta ao que está gravado hoje. O seu formato atual se deu a partir da linha de bateria que o Elly Greiner criou, tendo toda essa rítmica mais chegada pro tango.
A Cristiane Maria é uma amiga da banda que nos foi apresentada através do Luquinhas, e sua entrada foi algo mega especial, pois além de toda beleza da voz que ela têm, também preencheu aquela coisas, sabe… de que tava faltando algo. Eu afirmo com toda a certeza que poderíamos ter gravado já no primeiro ensaio que tivemos.
 
Arte por Amanda Mendes
 
O resultado final foi satisfatório?
 
Sim, totalmente! Durante as gravações ouviamos os áudios dos takes e ficávamos mais maravilhados a cada audição, além do fato de ser um trabalho com a participação de outras pessoas, também foi uma experiência super gratificante e de muito aprendizado para nós.
 
Quais os próximos passos de divulgação?
 
Primeiramente, a divulgação básica: “tocar, tocar, tocar…”
 
Também estamos refletindo sobre algo voltado pro audiovisual, principalmente nesse momento aonde temos a felicidade de ter dado um “match” com galera do Suco de Groselha, produtora audiovisual da cidade, que além de mega talentosos também nos dão um mega suporte com ideias. O lyric vídeo de “Apartamento”, o clipe de “Velha História” foram produzidos por eles.
 
Considerações finais:
 
Estamos bem felizes por ter explorado outras camadas, sonoridades e estéticas visuais, e esperamos que esse trabalho vá se chegando em outro locais, pessoas.
 
Foto principal por Joel Moura
 
 
 
 
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *