0

Drowned Men : Ashes !

Drowned Men falam sobre suas referências musicais, singles e mais!

Como vocês se juntaram para formar o grupo?

Bem, basicamente eu (Gabriel) juntei todos os integrantes da banda. Já éramos amigos há vários anos, inclusive eu toquei junto com cada um deles em bandas diferentes. No início, éramos somente eu, Js, Joey e John, eles não estavam tocando na época, daí vi uma boa oportunidade de formar uma banda com eles. Ficamos durante um tempo com essa formação, trabalhando o instrumental de algumas músicas, foi um processo de mais ou menos uns 7 meses até encontrarmos o Bê. Me lembro de ter esbarrado com ele por acaso, em uma feira de quadrinhos aqui de BH, foi quando comentei sobre essa banda nova que eu estava tocando, nesse mesmo dia acabei mostrando umas demos de ensaios que estavam salvas no meu celular pra ele e também falei que estávamos em busca de um vocalista. O Bê gostou muito do que ouviu e me pediu para mandar pra ele essas demos, dois dias depois ele me devolveu as demos com letra e tudo mais, e o resultado foi muito massa. Mostrei para os outros integrantes da banda essas demos com vocal gravado por cima e eles adoraram, desde então ele se tornou nosso amado vocalista.

Como adotaram o nome da banda?

Bê: O nome foi inspirado e é uma referência à música “The Drowning Man”, do The Cure, que é uma das bandas preferidas da gente e também uma das nossas influências, dentro do gênero pós-punk.

Nos falem mais sobre a produção do EP.

Gravamos com um produtor aqui de BH chamado Lucas Gomes, do Estúdio Neuma, ele foi muito atencioso e nos deixou bem tranquilos durante o processo de gravação, que foi bem empolgante, e ficamos muito satisfeitos com o resultado final do EP. A aceitação dele nas performances ao vivo e ver a galera cantando junto também tem sido gratificante.

Como está o processo dos 3 singles? 

Na verdade, estamos em processo de gravação de um disco cheio, e o Lucas Gomes também está por conta da produção. Ele deve sair no fim do primeiro semestre ou início do segundo com aproximadamente nove músicas. Estamos muito ansiosos para mostrar para as pessoas o resultado final dele, as músicas estão ficando incríveis e acreditamos que ele irá agradar muitos fãs de pós-punk e rock n roll em geral.

O que vocês têm escutado no momento e o que formou a sonoridade do grupo?

Bê: The Cure, Joy Division, Siouxsie & The Banshees, Bauhaus, Echo & The Bunnymen e outras bandas clássicas do pós-punk são bandas que eu estou sempre voltando e que eu nunca deixei de escutar, fazem parte da minha identidade musical. Das novas tenho escutado muito Cigarettes After Sex, Be Forest, The Twilight Sad e bandas nacionais, como In Venus, Ego Eris, The Completers, etc. E o que deu vida à sonoridade da Drowned Men é a paixão de todos pelo gênero pós-punk, que é uma referência e também uma identidade da banda.

John: Apesar do pós-punk ser predominante no som, escuto e uso como referência muitas outras vertentes, não necessariamente apenas do rock. Blues, jazz, rap, folk, surf music, são coisas que ouço, algumas mais do que outras, claro. Me inspiro muito nas guitarras da Gemma Thompson da banda Savages. É a síntese do que eu gostaria de fazer dentro da proposta da banda. Ando escutando bastante uma galera atual também como: Iorigun, The Completers e In Venus. Uma influência geral, para tudo, eu diria que é o grunge. Se eu tocasse samba eu ouviria o grunge de qualquer forma (risos).

Como surgiu a parceria com a Howlin?

A Howlin’ é um selo que a gente vinha “namorando” a algum tempo e surgiu a oportunidade de mostrar o nosso som pra Rita Aprile, co-fundadora do selo, que de cara curtiu muito a banda. Passamos por todo um processo de curadoria mediado pela Quel Batista, nossa produtora, e por um período de aprovação por todas as bandas que compõe o selo – o que a gente acha muito interessante porque horizontaliza as decisões e deixa o processo bastante democrático.  

Quais os próximos passos?

Estamos com um clipe em fase de roteirização que deve ser gravado ainda este ano e lançado no primeiro trimestre de 2020, abrindo os trabalhos de divulgação do disco. Daí em diante, pretendemos tocar no máximo de lugares e cidades que conseguirmos, pra fazer o nosso som chegar no público que estamos construindo. 

Considerações Finais

A gente super agradece pela oportunidade e aproveitamos para convidar os leitores para seguir a gente nas redes sociais, nas plataformas digitais, que com certeza vem muita novidade por aí. E pra quem é de São Paulo, novidades envolvendo a Howlin’ e a Drowned Men ainda esse mês, aguardem! 

Fotos por Curt Martins Freitas

Bandcamp: https://drownedmen.bandcamp.com/

Spotify: http://bit.ly/drownedmenband

Youtube: http://bit.ly/drownedmenvideos

Instagram: https://www.instagram.com/drownedmen/

Facebook: https://fb.com/drownedmenband

Howlin’: http://www.howlinrecords.com.br/js_artist/drowned-men/  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *